Home > Salões > Salões 2 > Salões

Salão Cuba

2007

GOVERNO LULA ENTREGOU À DITADURA CUBANA LUTADORES DE BOXE

O Brasil de Lula entregou à ditadura cubana os lutadores de boxe Guillermo Rigondeaux e Erislandy Lara, sabendo o que significava a consequência de devolvê-los aos irmãos Castro. 

Fugiram da delegação de seu país durante os Jogos Pan-Americanos realizados no Rio de Janeiro em 2007, mas foram localizados, presos com inusitada presteza e ação policial depois de poucos dias e devolvidos a Cuba em avião da Venezuela de Chávez. 
O então ministro da Justiça do Brasil, Tarso Genro, afirmava que os dois boxeadores tinham solicitado a volta à pátria.

Eles foram encontrados pela PM em Araruama e levados para o batalhão da Polícia Militar de Cabo Frio. Os atletas estavam sem passaporte porque o documento ficou em poder da chefia da delegação cubana que participou do Pan.

"Eles estão sem documentos. Essa já é causa suficiente para serem deportados", contou o delegado da Polícia Federal ao anunciar a deportação. 
Soou muita estranha a rapidez na devolução deles a seu país sem um debate mais profundo sobre a questão e nem de que fossem ouvidos sobre a intenção de retonar. Nenhum dos dois teve o direito de lutar novamente em Cuba.
A verdade é que ambos foram deportados à força, pois em 2008, Lara fugiu para o México. Em 2009, Rigondeaux conseguiu também deixar o País. Foram para Miami e aceitos na condição de refugiados.
Restou provado que as afirmações do governo brasileiro eram falsas, pois que já refugiados nos Estados Unidos,  afirmam que não queriam ter saído do Brasil. 
Lara conta que usou uma lancha em uma praia afastada no meio da noite e conseguiu chegar ao México. Rigondeaux também usou o México como plataforma para depois atingir Miami.
Antes da segunda fuga, em entrevista à Folha, “proibidos de treinar com a equipe nacional de pugilistas cubanos, são evitados pelos antigos colegas e até hoje aguardam uma definição sobre o futuro, sem sinais da cúpula do regime que antes os badalavam. "É uma tortura psicológica", define Farah, 31, cubana que, também sem trabalho, compartilha a angústia do marido, Rigondeaux. "Ele não estava acostumado a não fazer nada. Se sente muito mal", disse ela à Folha...” 
Pudera, dentro de Cuba de Fildel Castro, respondem assim: “Questionados se tentaram fugir do regime comunista e ficar no Brasil, eles dizem que não. Foram ameaçados? "Não", dizem. Familiares sofreram pressão? "Também não", repetem. Então o que os fez abandonar o Pan-Americano e passar mais de dez dias sumidos no Rio? "Foi uma indisciplina", responde Rigondeaux,...”

Em entrevista a Jô Soares, Tarso Genro é contestado.

Veja o vídeo. 

 

Publicações Sugeridas

  • DISCURSO DE CHE GUEVARA NA ONU: "Fuzilamentos, sim!"
    Leia mais +
  • “BALSEROS” CUBANOS II – FIO DE ESPERANÇA
    Leia mais +
  • EXECUTADOS POR CHE GUEVARA EM SIERRA MAESTRA
    Leia mais +
  • VÍCTIMAS DEL COMUNISMO CUBANO MENORES DE 18 AÑOS
    Vítimas ao longo da ditadura dos irmãos Castro
    Leia mais +